E você nem sabe…

Tem acontecido tanta coisa boa,

Tanta coisa mudou desde que nós paramos de conversar,

E sério, você teria orgulho de mim!

É uma pena você não estar por perto,

É frustrante quando acontece algo sobre meu trabalho, algo bom

Porque a primeira pessoa que quero contar é você,

Mas aí lembro que não posso, que não devo e que não faz mais sentido.

É triste

É uma pena.

Mas você teria orgulho de mim!

Isso eu sei.

Tô com saudade.

Tenho hoje muitos momentos felizes, momentos em que você não existe mais.

Momentos em que eu sinto que estou conseguindo seguir em frente, e isso me enche de orgulho de mim mesma, porque sério, você me destruiu e me levantar não tá fácil.

Mas, por mais dias felizes que eu tenha, por mais que eu conheça pessoas legais, em algum momento você volta para me assombrar.

E mesmo depois de acontecer coisas ótimas no meu dia, a noite eu lembro de você e me pergunto se vivi tudo sozinha, se você não sente minha falta também.

Eu sinto, queria não sentir, mas sinto. Sinto falta de tudo.

Ninguém tem o teu cheiro, ninguém me beija como você, eu não consigo criar apelidos bobos com outra pessoa.

Ontem eu estava morrendo de vontade de mandar um “ Oi, to com saudade”

Esse fim de semana você voltou com tudo na minha mente, como na primeira vez que terminamos, senti tanta falta que o coração doía.

Mas me desdobrei, me desdobro dia a pós dia para não ir falar com você.

Para não começar tudo de novo e não me machucar mais ainda.

Porque você sabe como ninguém magoar as pessoas.

E por mais que meu coração doa, por mais que eu saiba que isso não é só carência e que eu sinto sua falta todo dia,

Dessa vez eu vou vencer.

Vou me por em primeiro lugar e vou esperar dia a pós dia até esse sentimento passar e eu te esquecer completamente.

Porque você não sabe amar.

E eu não quero mais não ser amada.

E por mais que doa, e que eu queira gritar de saudade, eu sei que vai ser melhor para mim.

E um dia, você vai ser só um ex.

E mais nada.

O ponto final.

Eu não te odeio. Sério!

Sei que você pensa que estou com ódio porque te bloqueei de tudo, mas eu não te odeio.

Eu só cansei.

Das grosserias,

De você fazer pouco caso das coisas que me magoam,

Cansei de estar onde não deveria.

Eu sei que um dia você me amou, ou ao menos achou que me amava,

E você me fez feliz,

Fez sim, por um tempo.

E te sou grata porque todo mundo merece se sentir amado, mesmo que não seja pra sempre.

Mas eu cansei do que veio depois.

Cansei de você me querer por perto só quando é bom pra você.

Cansei de deixar você na minha vida sendo que na verdade eu não estou na sua.

Não me entenda mal, eu não te odeio.

Se você precisar de mim eu vou estar aqui.

Se eu te ver na rua  vou sorrir e cumprimentar.

Se sofrer um acidente ou se ficar doente, eu vou me preocupar e rezar pra que fique bem.

Eu te quero bem.

Mas agora te quero longe.

Não temos mais assunto, não compartilhamos mais nosso dia a dia e não quero mais me sentir parte de algo que não sou.

Então não entenda mal, eu não te odeio, só não quero mais dividir minha vida com o passado.

Nem saber coisas que não me dizem mais respeito.                                                          

Então sim, eu te bloqueei.

E não por ser imatura, mas sim por me respeitar.

E se você um dia me amou, vai saber que eu estou certa em fazer isso, e orar a Deus pra que eu fique bem.

Porque eu ainda te desejo o melhor.

A estranha sensação de não estar apaixonada.

Aqui estou eu.

Naquele estranho e necessário intervalo de tempo.

Sem aquela vontade de voltar ao passado e nem de reviver oque passou. (não mesmo)

E sem nenhuma pressa de começar uma nova história. (não mesmo)

Estranho. Sei que se você meu ex, lesse isso ,acharia estranho. Acho que você pensava que eu estaria triste querendo te ver, ou feliz curtindo todas as baladas ( ainda não sei porque você achava que seria assim), ou mais provavelmente, você pensou que eu logo estaria agarrada a alguém.

Eu entendo, eu tenho 33 anos, quero muito casar e ter filhos e sou uma romântica. Mas não tenho pressa. Se pareceu por vezes a você que eu tinha, era porque simplesmente acreditava na gente. E não por carência, desespero ou sei lá oque.

Sério, eu não tô com saco pra começar de novo, sabe?

Não, não é porque te quero ainda, não mesmo…

É porque não to com saco pra começar tudo de novo, me apresentar, apresentar família, mostrar a outra pessoa que eu sou confiável, amável e etc.

Sério, não to com saco.

Essa coisa de começar as vezes cansa.

E eu também não to afim de ter que me preocupar com isso agora. Conhecer, ficar com pé atrás e até confiar de novo… Meu Deus!

Ter que dar satisfação, me sentir controlada, presa a algo ou alguém.

Não quero, não agora.

Tô nesse estranho intervalo de tempo onde não me sinto apaixonada por ninguém.

Escuto músicas e não me vem mais você a mente e também não há outra pessoas a quem eu queira encaixar nas músicas.

E sabe que eu tô gostando?! Eu já tinha passado por isso a anos atrás, e tinha me esquecido como é bom não estar emocionalmente presa a alguém.

Como é bom tirar esse tempo só pra mim.

Mas claro, sei que um dia desses isso vai mudar, alguém vai me tirar o ar e óbvio que eu vou deixar , afinal, eu ainda sou aquela romântica.

Em um espaço de tempo só meu, mas ainda aquela romântica.

O instante exato

Quando a chave vira?

Quando o amor começa ou termina?

Qual foi a palavra, a atitude exata que te fez se apaixonar por alguém ou deixar de senti-lo?

Isso é tudo tão sutil.

Às vezes você nem percebe. Mas, no nosso caso eu lembro.

Eu lembro o dia, o momento exato em que você deixou de ser um amigo, e lá no meu interior eu te olhei com um desejo novo.

A chave virou em segundos.

Foi um domingo na praia. Te vi brincando com seus sobrinhos de um jeito tão amoroso que acho que despertou meu lado mais maternal  e  que nem eu sabia que tinha.

Engraçado eu saber disso, parece que ouvi  a moedinha caindo e naquela hora soube que íamos ter algo.

E vivemos um “amor”.

Entreguei-me de  corpo e alma até as entranhas e senti  como se aquilo fosse eterno.

Mas ao longo do caminho as coisas mudaram.

E ao contrário do começo eu não sei o instante exato em que acabou.

Mas de repente, ou melhor, depois de tantas coisas eu simplesmente não sinto mais.

Como num estalar de dedos, como num passe de mágica, a chave virou novamente.

Provavelmente não foi de um dia pro outro e muito menos mágica, mas sim, o resultado de vários e vários dias de isolamento e reflexão até meu coração aceitar o que minha cabeça dizia.

E assim, o ciclo finalmente termina.

E a vida segue.

E então, inesperadamente a chave do recomeço e de novas histórias se acendeu também.

A recém solteira e o drama do 1° encontro…

Depois de vários e vários fins de semana acompanhada apenas de seu gato e netflix, você decide finalmente voltar a ver a luz.

Aquela vontade de se arrumar, de se sentir sexy e radiante começa a voltar. Quase como um milagre, você sente que está voltando à vida.

O ar volta a encher os seus pulmões.

Você finalmente consegue se imaginar junto a mais pessoas, rindo e conversando sem nenhuma fuga mental para o passado durante as conversas.

Você decide parar de fugir dos vários convites para sair com suas amigas.

E começa a considerar a possibilidade de sair com um desses caras que vivem te mandando um “oi”.

E então, depois de tanto tempo sem sair, sem flertar, sem paquerar alguém você decide tentar…

E lá vamos nós!

Bora lá garota, escolhe uma roupa!

Sexy demais, comportada de mais…Oque eu devo vestir? Ai meu Deus, eu não sei mais fazer isso… ( desespero e risos).

Tá, vamos lá… Só seja você! Não pode ser tão ruim, é só um amigo, se você gostar ok, se não gostar ok também. Sem expectativas.

E lá vai ela, se sentindo linda, porém sem ter certeza do que está fazendo.

Será que eu estou pronta pra isso? E se ele vir me beijar,será que eu deveria? E se eu beijar ele e for ruim? Droga! Se for ruim vou ficar com saudades do meu ex.

 Ai meu Deus, melhor nem deixar nada rolar hoje. Só conversar, só isso. (Ela repete mentalmente)

E assim vai ela, com um milhão de pensamentos confusos e um certo receio.

Uma cerveja aqui, uma cerveja ali.

E não é que está divertido?

Fazia tempo que não flertava, esqueci como isso é bom (Ela pensa).

E depois de horas conversando, muitas risadas, alguns micos e gafes, você lembra que não é nenhum bicho de sete cabeças e sente um alívio em ver que sim, você ainda sabe ser você e ainda sabe rir de você mesma.

Haaa e pra sua sorte, foi muito legal..

Um tempo para respirar

Eu não preciso de você, na verdade no momento não preciso de ninguém.

Eu até quero, mesmo, ter alguém de novo um dia. E acho mesmo que vou encontrar alguém que seja bom pra mim.

Mas eu não preciso agora.
Não preciso sair desesperada pra achar alguém para “ tampar” o buraco que você supostamente deixou, porque na verdade não há.
(Eu já curei minhas feridas)
Então, eu não tenho pressa.

Eu não fiz contas em aplicativos de namoro.
Não to caçando amigos de amigos.
E nem marcando encontros.
Até tem alguns ex ‘s paqueras que reapareceram e conversar as vezes é legal. Mas eu não quero nada agora.

Acho que há muito tempo eu não me sentia tão em paz.

Me sinto bem comigo mesma, com meu corpo, com quem eu sou e com a minha vida.

Tenho ocupado meu tempo com minhas coisas, cuidado de mim, da minha casa e focado no meu trabalho.

E quando a saudade vem, eu escrevo. Às vezes eu choro um pouquinho, porque sou humana e apesar de não parecer, não faz nem 2 meses que a gente se desconectou.

Pois é, isso é estranho também.
Faz menos de dois meses. Às vezes sinto como se tivesse passado muito mais tempo e às vezes parece que foi ontem.

Acho que as mágoas, as brigas , as coisas ruins estão se apagando da minha memória. E por isso parece que foi há muito tempo.

E as vezes as coisas boas invadem o pensamento… e aí, parece que foi ontem.

Mas isso não faz meus dias serem tristes (não mais).
Eu to bem, estranhamente bem melhor do que achei que eu estaria.